Como fazer seu grupo de oração crescer I e II

Como fazer seu Grupo de Oração crescer (I)

 

O grupo de oração é um grupo de pessoas que, por um desígnio de Deus, um dia (o dia em que foram pela primeira vez ao grupo) tiveram suas vidas tocadas pela bondade infinita do Senhor e foram chamadas a viver uma vida nova, a vida no Espírito. Existe uma passagem na carta de São Paulo a Tito, capítulo 3, versículos de 4 a 7, que descreve bem o que acontece com cada um de nós quando começamos a frequentar um Grupo de Oração: “Mas um dia apareceu a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens. E, não por causa de obras de justiça que tivéssemos praticado, mas unicamente em virtude de sua misericórdia, Ele nos salvou mediante o batismo da regeneração e renovação, pelo Espírito Santo, que nos foi concedido em profusão, por meio de Cristo, nosso Salvador, para que a justificação obtida por sua graça nos torne, em esperança, herdeiros da vida eterna.”

É essa a missão do Grupo de Oração: fazer com que as pessoas recebam o Batismo no Espírito Santo e tenham suas vidas renovadas, resgatadas, e guardem, para sempre, no coração, a esperança da vida eterna, a alegria da salvação. Pessoas batizadas no Espírito Santo são as que deixam transparecer entusiasmo em evangelizar, a fim de que outros também possam ter acesso a essa fonte de vida nova. São pessoas que com a sua vida testemunham que Jesus Cristo é o Senhor.

Se isso não está acontecendo nos nossos grupos de oração, se as pessoas que vão ao Grupo não estão sendo transformadas, então o coordenador do Grupo, juntamente com a sua equipe de servos, deve parar diante do Senhor e perguntar a Ele o que está acontecendo, o quê está impedindo o Grupo de Oração de cumprir com sua missão de mudar vidas. Além de nos colocarmos em oração, talvez fosse interessante rever alguns pontos-chave da nossa vida carismática: conversão de vida, louvor, perdão, oração pessoal, leitura diária da Palavra e frequência aos sacramentos.

 

Conversão de vida

Este é um ponto que tem sido negligenciado. Não podemos esquecer nunca que vivemos a nossa vida sob o olhar de Deus que tudo sonda e tudo perscruta. O salmo 138 diz: “Senhor, vós me perscrutais e me conheceis, sabeis tudo de mim, quando me sento ou me levanto. De longe penetrais meus pensamentos, quando ando e quando repouso, vós me vedes, observais todos os meus passos. A palavra ainda não me chegou à língua, e já, Senhor, a conheceis toda. Vós me cercais por trás e pela frente, e estendeis sobre mim a vossa mão” ( Sl 138, 1-5).

E o salmo 50 nos lembra: “Eu reconheço a minha iniqüidade; diante de mim está sempre o meu pecado. Só contra vós pequei: o que é mau fiz diante de vós” (Sl 50, 5-6).

O livro da Sabedoria, no capítulo 1, nos diz claramente que, se estivermos no pecado, o Espírito Santo se afastará de nós: “Tende para com o Senhor sentimentos perfeitos e procurai-o na simplicidade de coração, porque ele é encontrado pelos que não o tentam, e se revela aos que não lhe recusam sua confiança; com efeito, os pensamentos tortuosos se afastam de Deus. A sabedoria não entrará na alma perversa, nem habitará o corpo sujeito ao pecado; o Espírito Santo educador (das almas) fugirá da perfídia, afastar-se-á dos pensamentos insensatos, e a iniqüidade que sobrevém o repelirá” (Sb 1, 1b-5).

 

Louvor

Resgatemos o louvor no Grupo de Oração e na nossa vida diária, ao invés de murmurarmos e nos queixarmos da vida. Quando louvamos ao Senhor e entoamos ações de graças, a nossa voz se une à voz dos anjos e santos de que fala o livro do Apocalipse, no capítulo cinco, e que bradam: “ Digno é o Cordeiro imolado de receber o poder, a riqueza, a sabedoria, a força, a glória, a honra e o louvor. Àquele que se assenta no trono e ao Cordeiro, louvor, honra, glória e poder pelos séculos dos séculos” (Ap 5,12.13b).

Vamos acreditar que, quando louvamos ao Senhor no meio das dificuldades, todos os anjos e santos do céu e também Nossa Senhora unem-se a nós em adoração, louvor e ação de graças. E nossos problemas são confrontados com o poder e a majestade de Deus e a vitória que Jesus Cristo já conquistou.

 

Perdão

O Conselho Nacional esteve reunido em Brasília/DF, em janeiro de 2007, e o Senhor falou em profecia: “Se dentro do seu coração existe um conflito, um litígio contra seu irmão, Eu, Jesus, estou aqui, no Trono, como um justo juiz e pergunto: Existe possibilidade de conciliação entre vocês? Se não existe conciliação, então Eu preciso julgar”.

Os litígios, os conflitos, as mágoas, os ressentimentos nos desajustam, fazem sofrer a nós e aos outros e não auxiliam em nada o estado de graça e de comunhão com Deus. Pensemos nisso e retomemos o exercício do perdão em nossas vidas. Podemos, por exemplo, determinarmo-nos todos os dias, durante um mês, a nos colocar em oração e perguntar ao Espírito Santo a quem precisamos perdoar e a quem precisamos pedir perdão. Vamos ficar espantados de ver como ainda temos que caminhar nesta área. Toda semana podemos envolver nosso grupo de oração nessa prática e, assim, colher testemunhos sobre o perdão.

 

Oração pessoal

É a humilde vigilância na presença de Deus, como diz o salmista: “Só em Deus repousa a minha alma, é dele que me vem o que espero. Só Ele é o meu rochedo e minha salvação, minha fortaleza: jamais vacilarei. Só em Deus encontrarei glória e salvação. Ele é meu rochedo protetor, meu refúgio está Nele, ó povo, confia Nele de uma vez por todas; expandi, em Sua presença, os vossos corações. Nosso refúgio está em Deus”.

Quando nos colocamos na presença de Deus em oração, Ele abençoa o que está em nosso coração: alegrias, tristezas, preocupações, tudo! As nossas fraquezas, nossas limitações, nossos erros, nossas tentações e pecados que nos humilham, nossas dificuldades no dia-a-dia e na família, nossas dúvidas e inquietações. Sobre tudo isso, o Senhor derrama o seu amor curador, consolador, libertador. Além disso, na oração, passamos do nosso coração sensível, que é o lugar da tentação, para o nosso coração mais profundo, onde está a presença de Deus na pessoa do Espírito Santo. E a ação do Espírito Santo, que é o amor que habita o nosso coração mais profundo, pacifica, purifica, ilumina e constrói. É como diz aquele cântico: “Preciosas são as horas na presença de Jesus, comunhão deliciosa de minha alma com a luz.”.

 

Leitura diária da Palavra

Procurar trazer a Palavra para dentro das situações que vivemos; isso é parte da nossa identidade carismática. Se não lemos a Bíblia diariamente e se não a vivemos, ficamos desfigurados, ou seja, perdemos a nossa feição, o nosso rosto de Pentecostes. A Palavra de Deus é matéria espiritual sobre a qual o Senhor cria novas realidades na nossa vida. “Pela fé reconhecemos que o mundo foi formado pela palavra de Deus e que as coisas visíveis se originaram do invisível” (Hb 11, 3).

No capítulo 15 do livro do profeta Jeremias, nós lemos: “Quando encontrei Tuas palavras alimentei-me, elas se tornaram para mim uma delícia e a alegria do coração, o modo como invocar Teu nome sobre mim, Senhor dos exércitos”.

Quando nos debruçamos sobre a Palavra, estamos erguendo sobre nossa vida o próprio Senhor dos exércitos, das potências, o Senhor de toda glória e de toda majestade. Nossa vida recebe esta força incrível que é a Palavra, com todo o seu poder de transformar as realidades.

 

Frequência aos sacramentos

Precisamos também fortalecer nossa vida com a frequência aos sacramentos, principalmente os da Reconciliação e da Eucaristia. O Catecismo da Igreja Católica, na parte II, que fala sobre os sacramentos, mostra um afresco da catacumba de São Pedro e São Marcelino, representando o encontro de Jesus com a mulher hemorroíssa. Essa mulher, enferma há muitos anos, é curada ao tocar o manto de Jesus, pela “força que dele saíra”. Os sacramentos da Igreja, diz o Catecismo, continuam hoje as obras que Cristo cumprira durante sua vida terrestre. Os sacramentos são como essas “forças que saem” do Corpo de Cristo para curar as feridas do pecado e para nos dar a vida nova do Cristo. Através da vida sacramental, o poder divino e salvador do Filho de Deus salva o homem todo, alma e corpo.

Se voltarmos a ser o que somos, povo de oração, de conversão de vida, de louvor, de perdão e de freqüência aos sacramentos, e se em nossos grupos de oração tivermos a prática dos carismas para que as pessoas possam ver os sinais da presença viva de Deus no meio de nós, então grupos de oração vão crescer, porque muitos homens e mulheres vão querer fazer parte dessa “raça escolhida, sacerdócio régio, nação santa, povo adquirido para Deus” (cf. I Pd 1, 9).

 

Fonte:

Maria Beatriz Spier Vargas

Secretária-Geral do Conselho Nacional da RCC do Brasil

Revista Renovação, ano 8, edição 44, de maio/junho de 2007.


 

Como fazer o seu Grupo de Oração crescer (II)

 

Qual o segredo para que o Grupo de Oração seja aquilo que deve ser?

Muitos coordenadores desanimam ao ver o Grupo de Oração enfraquecendo e perguntam: "Como fazer meu grupo crescer? Como manter as pessoas fiéis todas as semanas?".

Há, porém, muitos grupos de oração no país tomando posse do que Deus quer, crescendo e testemunhando poderosamente a ação de Deus.

Não há um esquema pronto. A vida de oração, a escuta e a aplicação ousada daquilo que Deus pede é a receita! Por isso a RCC quer levar para todos os Grupos de Oração, algumas dicas preciosas para que eles cresçam - independentemente do número de pessoas - sendo aquilo deve ser: um local de muita unção, graça e manifestação do Espírito Santo!

A inspiração é um Grupo de Oração de Santa Catarina, ambiente de muitas graças que reúne, semanalmente, mais de 1,5 mil pessoas na Igreja São Judas Tadeu, Diocese de Joinville. O coordenador desse Grupo de Oração (em 2007), Sérgio Forte, partilhou as maravilhas que Deus realiza e revelou o motivo do Grupo ser o que é. Com base nessa experiência, o desejo é de espalhar essa graça por todo o país.


1. Esquema ou Vida de Oração?

O maior segredo para que o seu Grupo de Oração esteja realizando a vontade de Deus é a VIDA DE ORAÇÃO. Sem ‘calo no joelho’, não há como fazer o Grupo de Oração crescer. Pois, só a partir da escuta, da fidelidade e da oração, é possível realizar de forma ousada e corajosa aquilo que Deus pede.

Sérgio Forte relatou o que sua equipe de serviço faz, para estar preparada espiritualmente para a missão dentro do Grupo de Oração:

a) Eucaristia (se possível, diária);

b) Confissão (uma vez por mês e perdão mútuo entre os servos);

c) Oração do Rosário, ou ao menos o terço todos os dias;

d) Abastecimento dos servos: Momento em que os servos buscam a força de Deus para suas vidas e se preparam para o dia do Grupo de Oração, quando irão SERVIR!

e) Vigília mensal, e, além disso, numa madrugada por semana, os servos fazem escala de uma hora de oração em suas casas;

f) Intercessão em um dia diferente do Grupo de Oração, e, no dia do Grupo, os servos fazem um forte momento de intercessão. Colocam aos pés de Jesus aquilo que viveram durante o dia, entregando cansaço, problemas e dificuldades.


2. Unidade com a coordenação diocesana

"Não há Grupo de Oração forte sem unidade com a coordenação diocesana e, consequentemente, sem obediência à RCC do Brasil", reforçou o coordenador do São Judas. A RCC Joinville tem desenvolvido um trabalho eficaz com formações específicas em cada Ministério e Escolas Permanentes da Paulo Apóstolo, e, assim como o São Judas, todos os demais Grupos de Oração da Diocese têm sido muito fiéis a isso. A graça acontece a partir da obediência e unidade.


3. Acolhida com amor

Quem vai pela primeira vez ao Grupo de Oração deve ser muito bem acolhido para retornar na próxima semana e, claro, levando mais pessoas! Algumas dicas:

A pessoa nova é convidada a ir para frente logo no início do encontro, com quem a convidou. Essa pessoa é o seu ‘anjo’. O coordenador agradece a nova presença e a acolhe. Sugere-se, então, tocar uma música que a faça ter uma experiência profunda com o amor de Deus; e depois é feita a oração a todos os que estão ali.

A equipe da acolhida abraça cada uma dessas pessoas, transmitindo a força e o amor de Deus, e entrega uma lembrança com a data e também a frase ou algum versículo relacionado à pregação do dia.

Acolher é também perceber quem está indo ao Grupo de Oração e sentir falta dos seus, ir atrás e cuidar do rebanho.


4. Motivação

Muitas vezes, devido à falta de oração, a problemas pessoais, ao cansaço e a tantos outros motivos, os coordenadores e a equipe conduzem o Grupo de Oração com desânimo. Como se isso fosse uma cruz. É preciso motivação: envolver as pessoas com perguntas, criar expectativas com relação à próxima semana, dar os avisos com ânimo e, principalmente, falar' com autoridade toda verdade que precisa ser anunciada! Você fala com motivação, e o Espírito Santo convence!


5. Pregação + Oração

- Muita escuta e obediência a Deus na definição dos temas que serão abordados. O Grupo planeja antecipadamente os temas, em unidade e oração com o núcleo. Temas com continuidade, baseados nos livros da RCC, e também sequência de pregações sobre família atraem muito.

- Tomar cuidado para que a pregação não seja cansativa. O ideal é que ela não passe de 30 minutos, que seja objetiva e, especialmente, querigmática. Após a pregação, é determinante conduzir a oração poderosamente através do Batismo do Espírito Santo!

- Dar valor e tempo para o testemunho! Afinal, ele arrasta! Após o Grupo de Oração, o coordenador não pode esquecer de pedir àqueles que receberam curas e foram tocados que levantem as mãos, dêem testemunho publicamente para os presentes, ou através dos meios de comunicação que o Grupo possui.


6. Meios de Comunicação

Não importa o tamanho do seu Grupo. Use os meios de comunicação e crie um Ministério responsável pela criação dos veículos de comunicação e divulgação. O Grupo de Oração São Judas Tadeu possui um site (www.gruposaojudastadeu.com) com mais de dez mil acessos mensais, panfletos, programa de rádio, adesivos, transmissão ao vivo do Grupo pela Internet, telão, entre outras coisas.


7. Crianças

Se a criança é bem acolhida no Grupo de Oração, ela vai querer voltar e levar seus pais também. Preparar com dedicação o grupo para as crianças, dividindo-as por faixa etária, oferecer segurança e amor é muito importante. Em Joinville, um trabalho feito é a evangelização infantil trabalhada no mesmo tema inspirado por Deus aos adultos.


8. Coragem e Ousadia

A equipe do Grupo de Oração e, principalmente, o coordenador não podem ter medo! Ser corajoso, ousado e principalmente obedecer à vontade de Deus é a principal receita para que seu Grupo de Oração seja aquilo que vocês buscam e principalmente: aquilo que Deus sonha!

Aos coordenadores e aos servos que ainda têm medo e timidez para anunciar o Senhor: "Não digas: Sou apenas uma criança: porquanto irás procurar todos aqueles aos quais te enviar, e a eles dirás o que Eu te ordenar." (Jr 1, 7).

 

Fonte:

Extraído do Site da RCC Brasil Formação

Andréia Jacopetti Ministério de Comunicação - RCC de Joinville/SC

*Este texto foi extraído do Encarte Reavivando a Chama, da Revista Renovação, publicada na edição nº 44, de maio/junho de 2007.

 

Exibições: 172

Comentar

Você precisa ser um membro de RCC - Renovação Carismática Católica de Piraju-SP para adicionar comentários!

Entrar em RCC - Renovação Carismática Católica de Piraju-SP

© 2014   Criado por RCC PIRAJU.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço